quarta-feira, 3 de junho de 2009

Simplesmente amaste


Alguma vez sonhaste estar gostando
De alguém que mal puderas conhecer
E, após tanto sofrer, viver chorando,
Encontraste sorrindo o amanhecer?


Sentiste o coração, de vez em quando
Disparar, na visão daquele ser,
As pernas a tremer, as mãos suando
E não tiveste voz prá lhe dizer?


Superaste os portais da eternidade,
Em nome do desejo mais ardente,
Arriscando morrer de insanidade?


Ademais, viste um mundo diferente,
Formado de beleza e de igualdade?
Então, amaste, pura e simplesmente.

Bernardo Trancoso

Nenhum comentário:

Postar um comentário